EDUCADORES

13 março, 2014

Recuperação Escolar Contínua



                                                                                           

Olá, gente...

O ano letivo nem começou e já estamos chegando ao fim do 1º bimestre (e, até, trimestre)!

As interações e relacionamentos se ampliam e aproximam as pessoas da comunidade educativa. Os projetos pedagógicos marcam o início e dão o tom de sua concretização. É momento em que afloram as individualidades dos alunos evidenciando as diferenças acadêmicas sutis ou marcantes, das etapas reais da aprendizagem. Momento em que a docência se faz diferenciar pela forma de observar o fenômeno educativo.

Embora pareça ser precoce preocupar-se com a recuperação da aprendizagem, convém ressaltar que é esse justamente o momento pedagógico para ratificar toda a essência do Sistema Preventivo de D. Bosco.

“Em todo jovem, mesmo no mais rebelde, existe um ponto acessível ao bem; o primeiro dever do educador é descobrir este ponto, esta corda sensível do coração e tirar proveito disto.” D. Bosco

A recuperação da aprendizagem constitui mecanismo colocado à disposição do Escolas e dos professores para garantir a superação de dificuldades específicas encontradas pelo aluno durante o seu percurso escolar e deverá ocorrer de forma contínua ao longo do ano e intensiva ao final do ano letivo, em cada ano e série do Ensino Fundamental e Médio.

A recuperação contínua está inserida no trabalho pedagógico realizado no dia a dia da sala de aula e decorre da avaliação diagnóstica do desempenho do aluno, constituindo-se por intervenções imediatas, dirigidas às dificuldades específicas, assim que estas forem constatadas.

A recuperação contínua é composta por um conjunto de estratégias elaboradas pelo professor com o objetivo de recuperar conteúdos essenciais que não foram assimilados pelo estudante. Portanto, a recuperação contínua tem como foco a aprendizagem e não simplesmente a recuperação de notas.

Estratégias sugeridas para a recuperação contínua:

- Aulas de revisão e aulas adicionais.
- Atividades e pesquisas.
- Exercícios e trabalhos extras;
- Revisão – exercícios que retomam conteúdos importantes que já foram abordados anteriormente.
- Incentivo, reconhecimento e motivação à participação;
- Envolvimento dos familiares.
- Ensino de técnicas facilitadoras da aprendizagem: anotações, leituras, organização acadêmica, etc.

As atividades de recuperação contínua serão realizadas no decorrer de todo o ano letivo, com base nos resultados obtidos pelos alunos nos diferentes instrumentos de avaliação e discutidos nos horários coletivos com os pares e equipe técnica.


É fundamental que o planejamento das atividades de recuperação contínua leve em consideração:

- o plano de trabalho do Professor que expresse as expectativas de aprendizagem pautadas nas metas propostas no Projeto Pedagógico;
- a definição das intervenções pedagógicas do Professor necessárias à superação das dificuldades detectadas;
- o re-planejamento das atividades com vistas à organização do tempo e espaço na sala de aula;
- a participação do aluno no processo de avaliação dos resultados de aprendizagem, garantindo-se momentos de sua análise e auto-avaliação dos alunos a partir das expectativas de aprendizagem;
- os registros como instrumentos que revelem as ações desenvolvidas, o processo de desenvolvimento dos alunos, os avanços, as dificuldades e as propostas de encaminhamento;
- a divulgação dos resultados aos pais ou responsáveis, na busca de sua participação e colaboração nas atividades de reforço e na realização de tarefas complementares.

Em situações em que o aluno não apresentar os progressos previstos em relação aos objetivos e metas propostas, poderá ser recomendado para aulas de Reforço em horário de contra turno, julgada a sua conveniência em cada caso pelo Professor, após análise do Coordenador Pedagógico e S.O.E., com a adesão e autorização dos pais ou responsáveis.

É preciso refletir, discutir e, sobretudo, agir!
Você tem contribuições? Encaminhe para compartilhar.
Abraço!

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da república Federativa do Brasil. Brasília, DF, 21 dez. 1996.

DEMO, Pedro. Ser professor é cuidar que o aluno aprenda. Porto Alegre: Mediação, 2004.

HOFFMANN, Jussara. Pontos e Conta Pontos.  Porto Alegre: Mediação, 2003.

LUCKESI, Cipriano Carlos et al. Processo Educativo: Desafios da aprendizagem e a avaliação significativa. In: XII SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO. 2011, Santa Catarina.

MELCHIOR, Maria Celina. A Importância da Avaliação. In: ______. Avaliação Pedagógica: Função e Necessidade. 3.ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 2002. p. 14-17.

Postado por Michel Assali




Um comentário:

  1. GOSTEI E IREI SUGERIR AOS MEUS COLEGAS QUE TEM ALUNOS COM DAE,(DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM EXPECIFICA) PARA TRABALHAR COM PLANOS DE RECUPERAÇAO

    ResponderExcluir

Deixe aqui seus comentários! Obrigado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...