EDUCADORES

07 agosto, 2017

Professor sem estresse!

  
Olá, gente...


Do que tenho lido e ouvido sobre o trabalho, chama a atenção frases interessantes das quais destaco esta: “Se você ama o que faz jamais se sentirá estressado.” 

Particularmente eu não concordo com esta frase, pois penso que mesmo amando a nossa atividade, temos momentos em que o estresse pode ocorrer, seja pela rotina, volume do trabalho ou chefe chato.

Sabemos que a jornada de todo o professor é intensa. Começa em casa, passa por uma, duas e até três unidades ou instituições escolares e termina em casa. Planejamento, seleção de conteúdos, organização do trabalho pedagógico, gestão da sala de aula, avaliação, feedback, etc. são atividades que ocorrem dentro e fora da sala e da escola o tempo todo.

Toda essa rotina gera por vezes preocupações e consequentemente, estresse, o que pode colocar em risco o nosso amor pela educação e pela profissão se não aprendermos a gerir nossa atividade educacional.

Para alertar e controlar parte disso coletei algumas dicas e sugestões visando minimizar os malefícios do estresse e garantir a manutenção da alegria no trabalho docente.

Vejamos:

1 - Sempre que possível desligar-se de toda a tecnologia que relaciona escola com nossa casa.

Apesar de soar esquisito, é preciso que se separem as comunicações. O que é do trabalho, somente trabalho. O que particular ou dos contatos sociais, somente em contas para essa finalidade.
Isso evita de ficar recebendo notificações de e-mail de trabalho no telefone de uso particular e vice-versa. Assim, notificações de trabalho ficam somente nas comunicações de trabalho.
Lembre-se: e-mail recebido fora do horário de trabalho ou nas férias implica em trabalho extra.

 2 - Alivie peso morto. Diminua as sacolas!

É muito comum ver professores transportando sacolas, grandes pastas ou até malas. Sabemos que ali dentro tem de tudo. Provas, trabalhos, lanches e garrafinhas de água.
Sabemos que é muito difícil se desvencilhar de tudo isso. Porém, é preciso pensar melhor e verificar o tudo aquilo que pode ou deve ficar na escola.

Abra o porta-malas de um carro de professor e encontrarás uma verdadeira papelaria ou a continuidade do armário escolar. Fora o que ficou em casa em muitas vezes.
É preciso colocar alguns limites e encontrar um equilíbrio para isso, seja em tempo ou em espaço.

3 - Tente não viver na(s) escola(s).

Separe casa e escola. Existem casos de professores que somente falta “dormir” na escola. Vá com calma com isso.
O trabalho do professor não termina na escola e a aposentadoria estará cada vez mais longe. Sempre que possível, faça tudo para aproveitar o final de semana consigo mesmo ou com a família.
Muitas ideias novas surgem nos momentos de lazer, já dizia o autor italiano Domenico De Masi, no seu texto “O ócio criativo”.

4 - Aceite que não somos perfeitos, nem as coisas o são.

Planejamos a aula, estudamos conteúdos, separamos materiais, etc., achando que a próxima aula será o sucesso. Porém, nem sempre as coisas transcorrem como queremos. São tantas as variáveis na educação que contribuem para o sucesso ou decepção de certos dias de trabalho.

Logicamente que, quanto mais preparados, melhor será a qualidade da aula. Isso porém, não elimina a possibilidade do improviso ou ainda de aceitar determinadas decepções e transformá-las e novos pensamentos e ações de sucesso.

Quando você deixar de ir tentando ser um "mestre perfeito" pode desfrutar de si mesmo e de seus alunos muito mais!

5 - Tenha sempre um plano para o tempo de planejar

Parece estranho, não é? Sei que é difícil. Mas, é preciso pensar e organizar um tempo para planejar o próprio planejamento do trabalho. Parece uma grande bobagem, mais isso ajuda muito a evitar o estresse no trabalho docente.
Sabemos que temos calendário apertado, com conteúdos e provas e se você não se organizar será atropelado por uma porção de pequenas coisas que o deixarão irritado e estressado.

O plano de um planejamento é simples e contribui para que não nos afoguemos na burocracia que nos é exigida, por vezes mais do que a própria pedagogia.

6 – Dormir bem, sempre que possível.

Sei bem que não é tão fácil. Professor acorda cedo ou dorme tarde. Ou ainda, as duas coisas. Por um grande período da minha vida profissional de professor, acordava às 05h30 e ia dormir às 24h. Trabalhava em todos os períodos.
Reconheço que poucas horas de sonos não favorecem um trabalho voltado a não ter estresse.
Porém, é preciso reconhecer que todo o profissional precisa desenvolver atitudes para ter um sono bom e reparador. Existem técnicas para isso. Pesquise sobre o assunto e faça o possível para um sono de qualidade, pois isso alivia ou elimina o estresse.

7 - Aprecie seus alunos e a sala de aula!

Essa é uma dica muito interessante. Quando você se encontrar irritado no trabalho, pense no quanto você faz diferença aos seus alunos. O quanto você é importante na formação de cada um, os quais levarão em suas memórias seus ensinamentos e atitudes.
É o momento que justifica e valoriza o que fazemos e por que razões o fazemos.
É encontrando e apreciando nossos alunos que percebemos que ensinar não é apenas uma profissão. É uma maneira de ver o mundo, um jeito de ser, uma arte, uma ideia e uma concepção de vida.

E isso, não para qualquer pessoa. São para pessoas especiais. Se você está ali, na sala, não é por acaso, mas talvez seja por mérito ou por estar no lugar certo e na hora certa.  

Ensinar é uma profissão maravilhosa e muito mais do que um simples emprego. É destinado a pessoas que gostam de lidar com gente e a desenvolver pessoas.

Essas simples dicas têm a intenção de contribuir com o trabalho docente, prevenir o estresse e vivência da alegria de ser professor.  Sei muito bem que isso não é fácil e luto o tempo todo para aprender a colocar em prática essas dicas.

Tem mais algumas dicas para aumentar nossa lista? Envie para que possamos compartilhar.


Postado por Michel Assali.

31 julho, 2017

Freinet e a pedagogia para o século 21


 Olá, gente...


As tendências educacionais para o século 21 apontam para um ensino centrado na relação aluno-professor onde criatividade, inovação, ousadia, cooperação, entre outras, são competências a serem desenvolvidas individual e coletivamente.

Nesse sentido, as contribuições do pedagogo francês Celestin Freinet (1896-1966) possibilitam inspirar educadores na organização e planejamento do trabalho pedagógico em sala de aula, revendo e reorientando princípios educacionais formulados por esse importante pedagogo.

Dentre os princípios que norteiam suas teorias pedagógicas, Freinet cita suas clássicas Invariantes Pedagógicas, das quais faço questão de destacar algumas delas para contribuir nas nossas reflexões sobre educação.

Leia, pense, reflita e compartilhe:

Invariantes pedagógicas de Celestin Freinet

1. A criança é da mesma natureza que o adulto.
2. Ser maior não significa necessariamente estar acima dos outros.
3. O comportamento escolar de uma criança depende do seu estado fisiológico, orgânico e constitucional.
4. A criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias.
5. A criança e o adulto não gostam de uma disciplina rígida, quando isto significa obedecer passivamente uma ordem externa.
6. Ninguém gosta de fazer determinado trabalho por coerção, mesmo que, em particular, ele não o desagrade. Toda atitude imposta é paralisante.
7. Todos gostam de escolher o seu trabalho mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa.
8. Ninguém gosta de trabalhar sem objetivo, atuar como máquina, sujeitando-se a rotinas nas quais não participa.
9. É fundamental a motivação para o trabalho.
10. É preciso abolir a escolástica.
10- a. Todos querem ser bem-sucedidos. O fracasso inibe, destrói o ânimo e o entusiasmo.
10- b. Não é o jogo que é natural na criança, mas sim o trabalho.
11. Não são a observação, a explicação e a demonstração – processos essenciais da escola – as únicas vias normais de aquisição de conhecimento, mas a experiência tateante, que é uma conduta natural e universal.
12. A memória, tão preconizada pela escola, não é válida, nem preciosa, a não ser quando está integrada no tateamento experimental, onde se encontra verdadeiramente a serviço da vida.
13. As aquisições não são obtidas pelo estudo de regras e leis, como às vezes se crê, mas sim pela experiência. Estudar primeiro regras e leis é colocar o carro na frente dos bois.
14. A inteligência não é uma faculdade específica, que funciona como um circuito fechado, independente dos demais elementos vitais do indivíduo, como ensina a escolástica.
15. A escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência, que atua fora da realidade fica fixada na memória por meio de palavras e ideias.
16. A criança não gosta de receber lições autoritárias.
17. A criança não se cansa de um trabalho funcional, ou seja, que atende aos rumos de sua vida.
18. A criança e o adulto não gostam de ser controlados e receber sanções. Isso caracteriza uma ofensa à dignidade humana, sobretudo se exercida publicamente.
19. As notas e classificações constituem sempre um erro.
20. Fale o menos possível.
21. A criança não gosta de sujeitar-se a um trabalho em rebanho. Ela prefere o trabalho individual ou de equipe numa comunidade cooperativa.
22. A ordem e a disciplina são necessárias na aula.
23. Os castigos são sempre um erro. São humilhantes, não conduzem ao fim desejado e não passam de paliativo.
24. A nova vida da escola supõe a cooperação escolar, isto é, a gestão da vida pelo trabalho escolar pelos que a praticam, incluindo o educador.
25. A sobrecarga das classes constitui sempre um erro pedagógico.
26. A concepção atual das grandes escolas conduz professores e alunos ao anonimato, o que é sempre um erro e cria barreiras.
27. A democracia de amanhã prepara-se pela democracia na escola. Um regime autoritário na escola não seria capaz de formar cidadãos democratas.
28. Uma das primeiras condições da renovação da escola é o respeito à criança e, por sua vez, a criança ter respeito aos seus professores; só assim é possível educar dentro da dignidade.
29. A reação social e política, que manifesta uma reação pedagógica, é uma oposição com o qual temos que contar, sem que se possa evitá-la ou modificá-la.
30. É preciso ter esperança otimista na vida.

Quer saber mais? Faça uma pesquisa sobre Freinet. Muito do seu trabalho pode ser adaptado para a sala de aula de hoje.
Deixe seus comentários sobre o assunto.


Postado por Michel Assali

28 julho, 2017

Retorno das férias!


Olá, gente...


Estou de volta! Volta das férias! Volta ao trabalho!

Na bagagem?
Muita roupa para lavar, agenda a organizar e contas a pagar.

A cabeça? Cheia!
Cheia de experiências sentidas e vividas. Algumas, inesquecíveis, gravadas como tatuagem na  memória.
Experiências de costumes, culturas, linguagens e histórias.

E ainda, todas as experiências gastronômicas repletas de sabores. Dos doces aos salgados, dos ácidos aos amargos ou apimentados, das texturas simples às complexas e dos aromas suaves aos intensos.

As cores? Uma diversidade de matizes, sombras e luzes, impregnando a retina e forçando o olhar a enxergar para além das cores gravando muito mais na mente que nos cliques das máquinas fotográficas.

Imagens digitalizadas que revelam apenas um pequeno lapso do tempo, mas que jamais explicarão as sensações do todo e da experiência vivenciada.

Experiências com gente que vive, trabalha e luta como a gente e, o mais importante, pessoas que são parte da família. Parentes que mal conhecia e tive um grande prazer de conviver por alguns dias com a emoção do primeiro encontro. Momento em que as histórias se complementam e compõe parte da genealogia familiar onde, a história de cada um integra como uma teia e constrói a nossa própria história.

Nossa história, minha história! Que saudades!

A experiência das férias foi de um grande momento com direto a emoção, alegria e reflexão onde, forma,  conteúdo e sensibilidade se fundem num estado de espírito para um grande aprendizado sobre a vida e a existência.
Até o fuso, que nos deixa tão confusos, é componente de tudo isso, trazendo sempre à lembrança os bons momentos dos conhecimentos e das convivências.

Cenas de beleza que enriquecem a alma e nos motivam a valorizar a vida e a se preparar para vivenciar novas experiências nas próximas férias, sejam elas aqui ou acolá.

Férias! Eu recomendo que usufruam e aproveitem cada instante em qualquer lugar deste planeta!

Bom retorno ao trabalho aos que voltam! Boas férias ao que vão!

Postado por Michel Assali


02 julho, 2017

Férias! Ôba!

Olá, gente...


Realmente, preciso de um pouco de férias! Só um pouco!

Estou cansado da política da ladroeira dos de cima e dos de baixo.

Sou extorquido pelos governos e mal posso andar na rua para uma caminhada despreocupada.

Não posso ter um relógio melhor, uma bicicleta melhor, um celular, uma moto, um carro, ... Tudo é perigo.

Já não consigo abrir os jornais que recheiam a maior parte do seu conteúdo com notícias de violência, propinas, fraudes e injustiças.
Chegamos num ponto interessante da história em que o brasileiro sabe o nome dos ministros do STF e mal sabem da escalação da seleção brasileira de futebol, conhecendo apenas o Neymar.
Não temos santos nem heróis, nem direita nem esquerda e nem centro. E ninguém quer saber nada disso!

Também reconheço que é preciso que todo o sombrio e lodo venham à tona para uma limpeza e recomeço. Tenho certeza que os brasileiros e sua consciente participação política farão um Brasil muito melhor.

Porém, nesse momento é preciso recuperar energias físicas e mentais. Resolvi dar férias para as tristezas e decepções.
Cansei de ficar reclamando, de achar culpados e pensar em propostas milagrosas. Resolvi mandar tudo plantar batatas e decidi: vou levar a família toda e se mandar para Nárnia ou Passárgada.

Melhor ainda. Decidimos visitar minha terra natal.
Conhecer parentes que nunca conheci. Rever as origens, raízes, culturas e buscar a essência do  valor da vida, que é muito significativa e superior aos nossos problemas políticos.

Quero registrar os bons momentos e encontros usando não apenas as fotos e "selfies", mas todos os sentidos disponíveis que Deus nos deu para sentir as cores, os sabores, aromas, texturas e sons. Intensamente!

Vamos em paz! Animados na esperança de que ao retornar, encontrarei nosso país bem melhor.

Boas férias!


Postado por Michel Assali

27 junho, 2017

Férias? Sim, férias!

Olá, gente...


Para um bom grupo de profissionais, julho é um mês de férias, principalmente aos que habitam o hemisfério norte.

Para nós, aqui, as férias de julho representam um pequeno descanso entre os semestres letivos para que alunos e professores possam recarregar energias.

Sei que muita gente estranha, ataca: "Professores têm férias duas vezes por ano! Que folga, heim!"

Porém, poucos sabem do difícil e penoso trabalho docente, principalmente no nosso país.

Nem, é preciso falar das extensas jornadas, acúmulos de cargos e funções, deslocamentos, salários infames e ainda, as ameaças sofridas. fora tudo isso, o trabalho realizado nos finais de semana, no planejamento, preparação e correção de provas  e outras formas de avaliação.

Mesmo assim, o trabalho transcorre exigindo, paciência, tolerância, bom senso, equilibrio, etc., consumindo muita energia e provocando cansaço físico e mental.

Férias merecidas!

Aproveitem bem! Que venham as férias! Que venha o 2º semestre!

Postado por Michel Assali

20 junho, 2017

Inverno 2017

INVERNO


Tempo da Terra,
Tempo dos humanos
Tempo de ...
- guardar para semear,
- recarregar para carregar,
- repensar para pensar,
- silenciar para expor,
- meditar para escolher,
- se fechar para desabrochar,
- reconsiderar para conciliar,
- se recolher para escolher, acolher
- se aquecer para amar.
Tempo maravilhoso, o inverno.
Que venha!  Salve o tempo. 
                         (Michel Assali)


Postado por Michel Assali

12 junho, 2017

Gestão: a autoridade formal e a liderança




Olá, gente...

A liderança é um termo para o qual cabem muitas definições com algumas características comuns como, o envolvimento de pessoas, os relacionamentos interpessoais, as dinâmicas de funcionamento de grupos e a capacidade de influenciar comportamentos.

Porém, a liderança não é inata e pode perfeitamente ser construída teórica e praticamente através de muito conhecimento, reflexões e pela prática aliada ao desenvolvimento dos relacionamentos pessoais e interpessoais.

Neste sentido, não basta querer ser um líder, nem achar que basta ser chefe para ser o líder. A contratação, a designação ou a nomeação para um cargo de chefia não determina a formação de um líder. A liderança precisa ser construída gradativamente através de atitudes e conhecimentos.

Assim, entende-se que a autoridade formal é apenas instrumento para tornar uma pessoa um chefe, mas nunca o suficiente para torná-la líder. É preciso ir para além da formalidade e investir fortemente na gestão de pessoas.

Numa instituição privada ou pública, como uma escola, por exemplo, seu maior patrimônio a gerenciar não são os bens ou equipamentos e sim, as pessoas que ali atuam. Pois é junto ao grupo de pessoas que a liderança se desenvolve. Ninguém é líder de ferramentas, pois seria apenas responsável pelo almoxarifado.

Alguns aspectos diferenciam a autoridade formal da liderança.

Veja:

Autoridade formal:
- Fundamenta-se em legislações aceitas de comum acordo, que criam figuras de autoridade dotadas do poder de comando.
- O seguidor obedece à legislação incorporada na figura de autoridade, não à pessoa que ocupa o cargo.
- A lei é instrumento que garante a convivência social.
- A autoridade formal é limitada no tempo e no espaço geográfico, social ou organizacional. Os limites definem a jurisdição da autoridade.
-É temporária para a pessoa que desempenha o papel de figura de autoridade.
- A autoridade formal inclui o poder de forçar a obediência das regras aceitas para a convivência.

A liderança:
- Fundamenta-se na crença dos seguidores a respeito das qualidades do líder e de seu interesse em segui-lo.
- O seguidor obedece ao líder e à missão que ele representa.
- O líder é instrumento para resolver problemas da comunidade.
- A liderança é limitada ao grupo que acredita no líder ou precisa dele. Os limites da liderança definem a área de influência do líder.
- A liderança tem a duração da utilidade do líder para o grupo de seguidores.
- Os líderes têm o poder representado pelas pessoas que o seguem.
- A liderança é produto de inúmeros fatores. Não é qualidade pessoal singular.


Diretores que são verdadeiramente líderes e não apenas chefes, têm algumas características em comum:
-Usam muito mais a capacidade de influência do que o poder de comando.
-Sabem ouvir cada integrante da equipe e fazer uso das informações que recebem.
-Sabem delegar e acreditar no trabalho realizado pelas equipes.
-Confiam na equipe e procuram fazer com que a equipe confie nele.
-Valorizam opiniões e perspectivas de outros.
-Comunicam claramente à equipe e ao público interno quais os objetivos e metas.

Pense sobre o tema e responda:
-Que tipo de liderança é a sua?
-Que leituras você tem feito sobre o assunto?
-Que ações têm praticado para desenvolver sua liderança?

Tem mais a contribuir? Encaminhe para compartilhar ou deixe seus comentários. 

Postado por Michel Assali





04 junho, 2017

Realizadores, conformados ou procrastinadores?


Olá, gente...


Buscava pela rede textos sobre procrastinação nas diferentes atividades profissionais.

Encontrei um texto de Christian Barbosa que aborda diversos temas sobre gestão, extraindo a classificação abaixo que achei bem didática e interessante para uma reflexão, considerando o processo produtivo das pessoas.

Segundo Christian, uma forma fácil de entendermos o ritmo produtivo e evolução das pessoas é dividi-lo em três grandes grupos:

Os realizadores – são aqueles que saem do lugar e fazem alguma coisa seja para atingir seus objetivos, dar saltos na carreira, viver melhor seus relacionamentos e ter mais saúde e prosperidade em todos os sentidos.

Os conformados – são aqueles que já assumiram que simplesmente não dá pra mudar, que a vida é assim mesmo, que ele não nasceu “virado” para a lua e que acredita que time que está empatando pelo menos não tá perdendo e assim, não se mexe.

Os procrastinadores – são aqueles que até tem vontade de mudar, de fazer algo diferente, que se motivam para criar planos, mas na hora H alguma coisa os impede de dar o próximo passo. Por insegurança ou por realizar uma ação que não será agradável, deixam para realizar “mais tarde”.

A parte triste dessa divisão é que todo mundo, pelo menos uma vez na vida, já teve um desses perfis presente na sua rotina. Não é verdade? Ninguém é 100% realizador. Com certeza, o Bill Gates, Steve Jobs, Sílvio Santos, João Doria ou qualquer outro desses personagens que são extremamente bem sucedidos, já tiveram seus dias de procrastinadores e conformados.

Só que essas pessoas têm uma coisa em comum: eles conseguem administrar esses perfis e voltam rapidamente para o perfil realizador. Eles entendem que ninguém é inabalável, mas que todos têm uma capacidade inigualável de seguir em frente, no perfil adequado.

Em qual perfil você está vivendo hoje em dia?

Que tal aproveitar que praticamente 50% do ano já foi embora para começar a viver no perfil mais adequado?


Postado por Michel Assali

15 maio, 2017

Ensino Híbrido (Blended Learning)

Olá, gente...


Diversos alunos meus pediram comentários a respeito do Ensino Híbrido (Blended  Learning) que vem sendo empregado em muitas escolas americanas.

Como já havia publicado uma postagem a respeito do assunto há dois anos, decidi atualizar a postagem e compartilhar.

Dentre as tendências para o ensino no séc. 21 com o uso das tecnologias, chama a atenção o modelo denominado Blended Learning, denominado no Brasil como Ensino Híbrido, o qual pode ser utilizado a partir dos anos finais do Ensino Fundamental e, principalmente, no Ensino Médio e no Curso Superior.

Acredito, porém que atualmente é no Curso Superior que o Ensino Híbrido teria melhor condições de se desenvolver, considerando as características e necessidades que  que esse nível de ensino possibilita, tais como maturidade dos alunos, acesso às tecnologias, etc.

Ensino híbrido (ou aprendizagem híbrida) é um modelo que combina experiências de aprendizagem digitais e presencial. O Instituto Christensen para Disruptive Innovation define o Ensino híbrido como um programa de educação formal em que um estudante aprende,

1) pelo menos em parte, através da aprendizagem on-line, com algum elemento de controle ao aluno ao longo do tempo adequando local, percurso e ritmo;
2) pelo menos em parte, em um ambiente supervisionado (longe de casa).
3) e as modalidades ao longo caminho de aprendizagem de cada aluno dentro de uma disciplina ou assunto, são conectados para fornecer uma experiência integrada de aprendizagem .

Os programas de ensino híbrido se organizam em quatro modelos básicos:
- Rotação
- Flex
- À la Carte  
- Virtual Enriquecido

Comentaremos nesta postagem o Modelo de Rotação e seus submodelos. Nas próximas postagens daremos continuidade aos comentários dos outros modelos.

 Modelo em Rotação - um curso ou assunto em que permite aos alunos se movimentarem em uma programação fixa ou a critério do professor entre as modalidades de aprendizagem, pelo menos, uma das quais é a aprendizagem online. Outras modalidades podem incluir atividades como pequenos grupos ou instruções em classe, projetos em grupo, aulas individuais, etc. Os alunos aprendem principalmente na escola, com exceção de todas as tarefas de casa.

O modelo de Rotação inclui quatro submodelos: Rotação em Estações, Laboratório de Rotação, Sala de Aula Invertida e Rotação Individual.

 - Rotação em Estações - um curso ou assunto em que os alunos experimentar o modelo de rotação dentro de uma sala de aula contido ou grupo de salas de aula. Esse modelo difere do modelo individual de rotação, porque os alunos se movimentam através de todas as estações, e não apenas naquelas com programações personalizadas.

- Laboratório de Rotação - um curso ou assunto em que os alunos se movimentam para um laboratório de informática para a estação conectadas online.

- Sala de Aula Invertida  - um curso ou conteúdo em que os alunos participam de aprendizagem on-line no lugar do tradicional trabalho de casa. Vão para a escola onde presencialmente, realizam a prática ou execução de projetos orientados pelo professor. Em resumo: a parte teórica é estudada em casa e on-line. A parte prática é realizada na escola sob a supervisão e orientação do professor.

- Rotação individual - um curso ou assunto em que cada aluno tem uma  lista individualizada e não necessariamente vá passar em todas as estações, mas naquelas em que apresentar necessidades conforme prescrição do professor. Um algoritmo ou professor (s) define horários individuais do estudante.

Veja mais em: http://www.christenseninstitute.org/blended-learning-definitions-and-models/#sthash.AgT58CNz.dpuf

Tem mais a contribuir? Encaminhe seus comentários.


Postado por Michel Assali

06 maio, 2017

Pedagogia diferenciada


 Olá, gente...


Embora muitos educadores acolham e concordem teoricamente que a formação da sala de aula moderna deva seguir os princípios da heterogeneidade, na prática a maioria dos sistemas escolares ainda adota tratamentos metodológicos e práticas de ensino para classes homogêneas. Ou seja, um único conteúdo para um único programa, uma mesma metodologia, um mesmo calendário, a aplicação do mesmo instrumento de avaliação para todos os alunos como, etc.

O pesquisador Philippe Perrenoud nos aponta que, toda situação didática proposta ou imposta de modo uniformemente a um grupo de alunos, será sempre inadequada para uma boa parcela deles. Alguns a dominarão tão facilmente que em pouco tempo deixará de ser desafiadora, ocasionando dispersão e perda de interesse pela aprendizagem. Outros, por não conseguirem entender, jamais se envolverão com a atividade esperando as “explicações” do professor ou de algum adulto.

Mesmo quando um conteúdo é compatível com o nível de desenvolvimento e as capacidades cognitivas dos alunos, poderá ser desprovida de sentido e interesse alguns aprendizes. Pode ainda, não gerar nenhuma atividade notável em nível intelectual e, por conseguinte, nenhuma construção de novos conhecimentos, muito menos se constituir num reforço de aprendizado.

O desafio do professor está em pesquisar e produzir metodologias e técnicas de ensino que favoreçam atender essas diferenças individuais pois, conforme Perrenoud, “diferenciar é organizar as interações e as atividades, de modo que cada aluno seja confrontado constantemente, ou ao menos com bastante frequência, com as situações didáticas mais fecundas para ele”.

Tarefa difícil para o trabalho individual, porém perfeitamente possível se tratada e discutida coletivamente com planejamento adequado e a utilização do potencial das tecnologias da informação e comunicação.

O tema é instigante e vale pesquisar sobre o assunto e discutir com demais profissionais.

Tem mais a colaborar? Encaminhe, compartilhe!


Postado por Michel Assali
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...